sábado, 11 de fevereiro de 2012


Poltrona Bergère


Introduzido no Rococó, período na França no século 17.
A poltrona Bergére surgiu no período Luís XV, como a cadeira Fauteuil (cadeira de braços), o tipo mais comum de cadeira, tinha um assento em forma de coração, ornamentados com arabescos, espaldar, pernas curvas e braços.
Ø O espaldar reto era chamado à la reine; o curvo, en cabriolet.
Ø  A Bergére (poltrona) era grande e confortável e tinha estofamento baixo e por cima dos braços,  com espaldar não muito alto, prolongando-se para os lados e formando abas laterais largas.
Ø  A armação de madeira fica exposta em torno do estofamento e os braços são menores do que o comprimento do assento com almofada solta.
Ø  E esse conforto é presente na atualidade, em versões contemporâneas e até futuristas, como a Poltrona Bergére Glass, criada pelo Estúdio Nada se Leva, à venda na Home Design; uma  releitura moderna da Bergére clássica.
Ø  Inteiramente confeccionada em vidro Diamond Guard – material muito mais resistente a riscos –, nas versões cristal, ebony (cristal negro) e espelho, a Bergère Glass pode levar um estofado opcional.



Cadeira e Poltrona Medalhão - Estilo Luís XVI

Cadeira Sheraton

Mobiliário Sheraton e Robert Adam
O estilo de Thomas Sheraton a princípio parecia com o Luís XVI, sendo depois influenciado pelos estilos Diretório e Império. O móvel que fabricava era delicado de estrutura, tinha linhas retas e curvas em segmento em lugar das curvas serpentinas de Hepplewhite. Sheraton também publicou um livro, The Cabinet-Maker and Upholsterer Drawing book, seus desenhos influenciando a produção inglesa durante um bom tempo. Como ornamentação empregava a marchetaria e aplicações de placas de porcelanas. Robert Adam, arquiteto e decorador, também se especializou em projeto e fabricação de móveis. O mobiliário que produziu tinha linhas delicadas e arquitetônicas, com ornamentação clássica. Usava bastante a pintura, alguns móveis inteiramente dourados. Sua principal criação foi o Sideboard e também armários.


Cadeira e Poltrona Vitoriana
Estilo Vitoriano
A decadência das artes observada na Regência continuou no reinado da Rainha Vitória, que não apoiou os movimentos artísticos, apesar de ser um governo financeiramente próspero. Observou-se uma variação de estilos, com influência indiscriminada do Gótico, Luís XV, egípcio, turco e veneziano. Eram movimentos feitos sem inteligência ou preocupação de detalhes. O próprio interior era uma confusão de estilos e cores, sempre forte, com painéis pseudogóticos.
A decoração era de mau gosto com ornamentação em excesso. No mobiliário a principal influência foi do estilo Luís XV, os móveis pesados e mal proporcionados feitos em nogueira, jacarandá, ébano e mogno com entalhações de madrepérolas. A nota alegre era o uso do "chintz" floridos. É claro que sempre existem exceções e encontram-se peças muito bonitas e valiosas feitas nessa época.

Cadeira Estilo Império
O estilo império é um estilo arquitetônico, de decoração de interiores, mobiliário e moda em geral, que se desenvolve em França no início do século XIX, e se insere dentro do espírito neoclássico.
Este período pode-se delimitar entre aproximadamente 1803-04 e 1815-21, altura da proclamação do Primeiro Império Francês (1804-1814), por parte de Napoleão Bonaparte. A fase inicial do estilo pode também ser designada por estilo consulado (ou Retour d’Egypt), fase que se inicia por volta de 1799, e que coincide com o período do Consulado Francês (1799-1804).
Os primeiros indícios já se fazem sentir durante o estilo diretório, mas o estilo império só atingirá o seu auge após o regresso das campanhas militares de Napoleão em Itália e no Egito. Será então Napoleão, o imperador, a impor o seu gosto pela grandiosidade e imponência, em comunhão com elementos decorativos de inspiração no universo militar e motivos revivalistas da Antiguidade Clássica e Antigo Egito. Extremamente ligada à figura do imperador e à glorificação do seu poder, a arte traduz-se, de um modo geral, por formas massivas e monumentais ao serviço do poder absoluto e da corte.
Com a expansão do império este gosto estender-se-á um pouco por todo a Europa, principalmente nas regiões de maior influência napoleônica, a Itália e a região da Confederação do Reno. Com a queda do império, o estilo será particularmente adotado pela Rússia imperial a modo de celebração sobre a vitória contra Napoleão.
Em Itália o estilo sobreviverá mais que no resto da Europa (designado estilo império italiano), fato que se deve, por um lado, à herança do Império Romano no país, e, por outro lado, à instituição deste estilo como o estilo nacional arquitetônico após a unificação de Itália em 1870.


Cadeira Marquesa






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário